VAR ajuda Palmeiras e Vasco sofre mais uma vez por interferência de terceiros


Para comprovar que o Vasco era outro time, seria necessário jogar contra o Palmeiras de igual para igual e como muitos esperavam, o cruzmaltino correspondeu as expectativas. No início do primeiro tempo, o Vasco pressionou e nos primeiros minutos, conseguiu a abrir o placar com Marrony. Mas foi infeliz quando a CBF mais uma vez pôs em prática o que eu tanto falo aqui no blog: "o equilíbrio do campeonato" (ou mais conhecido como manipulação de resultados). Tanto, que bastou a primeira oportunidade forçada de pênalti, que o juiz já chamou o VAR para confirmar o que ele já queria.

Como o Vasco já vem sido prejudicado pelos árbitros de vídeo, é notório esse tipo de coisa para encobrir o que todo mundo sabe: "prejudicar-nos". Tanto que a própria mídia fez seu papel, colocando um comentarista no Premiere (que não faço a mínima ideia de seja) mas que disse que a penalidade era fácil de ser marcada - olhando desse jeito, é só imaginar que para se marcar um pênalti é preciso chutar no braço dos outros. Além disso, Castan não tinha intenção alguma e a bola bateu tanto nele quanto no braço - mas foi o suficiente pro "Vasco Assaltado e Roubado" realizar sua função.


Só que as fraudes são comprovadas ainda no fim do primeiro tempo, quando Edu Dracena também põe o braço na bola (mudando sua trajetória de forma pior que a de Castan) e o safado do juiz amigo do Flamengo ainda tem a cara de pau de encerrar a primeira etapa - ignorando até o VAR (porque sabia que não poderia ir contra as imagens, então é melhor ignorar). Tirando essa inconveniência, o time surpreendeu e Fernando Miguel não chegou a ter tanto trabalho no primeiro tempo em quanto pensamos num adversário contra o Palmeiras. Não houve nem mesmo uma defesa difícil, enquanto o cruzmaltino conseguiu levar mais perigo até então.

Pude ver uma melhora em Valdívia e em Bruno César (o mesmo critiquei na postagem A insistência de Luxemburgo com Bruno César) mas que até o fim do primeiro tempo, mudou minha opinião). O Vasco também conseguiu o controle do meio campo e as vezes apertava a marcação para não deixar o adversário jogar - ou seja, estava realmente jogando de igual pra igual. Acho que se não fosse a interferência do VAR em ajudar os interesses da CBF, o Vasco estaria mais tranquilo e poderia até marcar um segundo gol ainda nessa primeira etapa.


Já no segundo tempo, o Vasco foi inteligente em permitir que o adversário fosse para cima, aproveitando em contra-ataques e fechando a marcação. Substituindo Valdívia pelo menino Thalles Magno, aquele em que a diretoria fez um esforço para ir para partida e agora eu entendo o porque. O garoto surpreendeu! Para mim foi um dos melhores em campo...

Acredito que o coração da maioria foi na boca aos 38 minutos, quando Marcos Junior cabeceia no travessão após receber o rebote do goleiro deles, que estava no chão. E já o final do jogo, Fernando Miguel conseguiu parar o time adversário, estando como sempre, em ótima forma. Talvez se não tivéssemos um goleiro de sua qualidade, poderíamos ter perdido este jogo. Mas deu tudo certo, infelizmente a vitória não veio porque o VAR interferiu - pois se houvesse justiça, eram para ser mais 3 pontos, em vez de 1. Mas não vou reclamar, pois esse time sim, tem a cara do Vasco...

Muito obrigado Luxemburgo pelo excelente trabalho... só empatamos por causa do VAR...

Nenhum comentário

Vascaínos na Web. Tecnologia do Blogger.